terça-feira, 27 de março de 2012

Tendências do Treinamento Funcional




Nos últimos anos uma tendência de treinamento norte-americana começou a invadir as academia do Brasil, e mesmo havendo muita discussão entre os profissionais da área sobre a aplicação prática dessa técnica, muitas academias de ponta do mercado brasileiro já resolveram utilizar o nome "treinamento funcional" pra qualquer atividade que envolva uma bola e um elástico. Agora, encontramos "Pilates Funcional", "Funcional Core Zone", "health funcional" e acho que demorará muito pouco até surgir o ioga funcional!

Porém do que se trata o treinamento funcional? E quem está certo ou errado ao difundir e banalizar o nome ao usá-lo para tantas técnicas diferentes e como podemos chegar à um consenso  sobre como utilizar essa denominação da melhor maneira possível.

Pra entendermos como o "functional training" (treinamento funcional) é utilizado no maior mercado mundial de fitness e treinamento, uma análise das mais conceituadas certificações americanas tentará mostrar que mesmo se usando todas as ferramentas e exercícios que podemos encontrar em milhares de vídeos disponíveis na internet, essa forma de treinamento envolve conceitos, técnicas, e sistemas que precisam ser discutidos e organizados de forma coerente, apresentando uma razão técnica pra que seja respeitado por todos os profissionais do treinamento e atividades físicas, principalmente por mostrar-se extremamente eficiente em todas as situações que envolvam treinamento físico e performance humana.


Fisioterapia x Educação Física e Esporte?!?


Uma das características comum das certificações é uma maior interação entre o treinamento físico e técnicas fisioterápicas, principalmente na identificação de desequilíbrios musculares dos indivíduos. Percebeu-se que ao utilizarem essas técnicas, houve uma diminuição no número de lesões, uma diminuição do tempo de recuperação ao se lesionar, e um melhora nas capacidades de força e endurance em decorrência de uma melhor eficiência na aplicação das periodizações.

Como nos Estados Unidos não há uma exigência em se ter um diploma na área, o uso de certificações é amplamente difundido e é a maneira aceita pelo mercado para se avaliar o conhecimento básico do profissional. Nesse artigo serão apresentadas certificações e entidades que foram testadas por esse autor, e limitarei esse artigo àquilo que posso julgar, portanto há certificações diferentes dessas no mercado, mas não acho correto analisar o que não experimentei.


Cursos diferentes para objetivos diferentes.


A National Academy of Sports Medicine (NASM) usa essa característica em todas suas certificações. Ela usa o modelo do Optimum Performance Training, visando uma estruturação organizada em diferentes níveis. Sua certificação de entrada é o Certified Personal Trainer (CPT),  cujo livro de 500 páginas dá uma visão geral dos fundamentos das ciências do movimento humano, programação de treinamento, avaliações funcionais, conceitos de treinamento, nutrição esportiva e tratamento ao cliente. Eles oferecem também o workshop que prepara para o teste, onde ensinam as avaliações e como as utilizar para identificar, corrigir e treinar os atletas e alunos.

Como especializações, eles também oferecem a Performance Enhancement Specialist, que obedece o mesmo modelo OPT de organização do treinamento, porém de forma mais completa, para se trabalhar mais com atletas de competição. As avaliações são mais detalhadas, os períodos de treinamento são mais divididos ainda,  as aplicações são cientificamente comprovadas e atingiram excelentes resultados para atletas de altíssimo nível, mas também para a pessoa normal que sempre busca por uma melhora na sua condição física. Essa é a certificação preferida dos técnicos de força da NBA, e está se tornando tão importante quanto a CSCS (certified Strength and conditioning Specialist), da NSCA (National Strength and Conditioning Association), nos times profissionais e universitários.

A NASM também apresenta uma especialização em correção Postural (CES – Corrective Exercise Specialist), que visa àqueles que apresentam disfunções mecânicas, desequilíbrios musculares ou uma necessidade de continuar um tratamento fisioterápico, porém quando já terminou suas sessões de fisioterapia.

Para aqueles formados em Educação física e Esporte, a NASM oferece um programa conjunto de Mestrado em Ciências de Esporte que têm uma ênfase prática,  visando o trabalho no dia a dia, e não em pesquisa, e com um conteúdo amplo e diversificado, dando um suporte muito bom para o profissional que quer realmente entender do que tratam todos os conceitos que a NASM acredita, de forma científica e no mesmo formato que tivemos na Faculdade.


Paul Chek, uma lenda viva no Treinamento Funcional.


Já no CHEK Institute, instituição liderada por um dos precursores dessa nova onda de treinamento funcional, Paul Chek, o approach utilizado é um pouco diferente. A atenção dada à parte biomecânica  impressiona. O entendimento sobre as interações musculares, articulares, e dos sistemas do corpo é feito de forma muito bem detalhada, ao ponto de se tornar quase um material com um excesso de detalhes, sendo que não temos a autoridade legal (=médica) de lidar com tanta profundidade sobre a lesão de uma pessoa. Porém se o contentamento em se obter o conhecimento extremo sobre o corpo e a biomecânica aplicada ao movimento, esse pode ser o lugar.

Diferentemente da NASM, no Chek Institute a atenção que se dá para as periodizações sistemáticas é menor, enquanto a ênfase está muito mais no desenvolvimento dos padrões fundamentais de movimento e no processo integrativo entre os sistemas do corpo. Há também uma atenção muito grande na questão da alimentação integral como forma de buscar uma melhora na performance da pessoa como um ser completo, ou seja, a utilização de alimentos orgânicos, frescos, com alto valor nutricional e com pouca utilização de alimentos "brancos" (leite, açúcar branco, sal, farinha branca), e muito mais que envolve a nutrição funcional. Todo o enfoque dado por eles à nutrição tem muito pouco a ver com calorias, e sim com a qualidade do alimento e sua influência na performance.


J.C. Santana, MMA e notável palestrante.


Outro grande pesquisador de treinamento funcional é Juan Carlos Santana, e não é o guitarrista mexicano. J.C. Santana, como é mais conhecido, é proprietário do instituto de treinamento na Flórida IHP (Institute of Human Performance), considerado um dos melhores centros de fitness funcional do mercado, e seu foco está em usar técnicas usadas por atletas, também com as pessoas normais. Muitos de seus alunos são lutadores e ele apresenta um foco muito mais prático, principalmente em seus mais de 60 livros e DVD's sobre o assunto. Suas habilidades com os tubos elásticos e com a bola suiça são impressionantes e a variedade de exercícios usada por J.C. é tanta que me senti entrando numa carreira nova quando conheci seu material, por tanta variedade que me foi apresentada.


A revolução com Gray Cook e o FMS.


Nos últimos anos tem ocorrido uma tendência de integração do conhecimento de muitos profissionais ligados ao assunto, porém a conclusão que se tem chegado é que o sistema de análise apresentado por Gray Cook, um fisioterapeuta de Virginia, tem se mostrado o mais eficiente em apontar de forma funcional quais são os desequilíbrios que precisam ser trabalhados, e a maneira prática de se fazer isto. Outros grandes profissionais estão usando o FMS (Functional Movement Screen, criação de Gray Cook e Lee Burton) como a ferramenta preferida de avaliação. Mark Verstegen, do Athletes Performance Institute,  Michael Boyle, especialista em treinamento funcional e performance de atletas, Dr. Greg Rose, do Institute Titleist de Golfe, entre outros, têm tidos resultados excelentes em identificarem esses focos que ocasionalmente se tornariam uma lesão e os transformarem em potência pura.


Kettlebell e correções nos padrões do movimento.


Outro campo que acabou de se render também ao FMS e a Gray Cook foi àquele do kettlebell training. Pavel Tsatsouline, introdutor da técnica nos Estados Unidos, acabou de lançar uma nova certificação que envolve o FMS (CK-FMS, Certified Kettlebell-Functional Movement Specialist), e a meta dessa certificação é usar os kettlebells para corrigir as disfunções. Gray Cook se tornou um especialista em kettlebells para poder comprovar a eficiência da técnica do treinamento e integrar as duas certificações de forma completa. Nesse momento, o consenso está no fato que o FMS funciona para todos os grupos, e tem mostrado resultados expressivos em todos eles.

Um caminho brilhante  a ser percorrido!

No Brasil, ainda estamos engatinhando no assunto, e nesse momento, as discussões estão sendo feitas de forma não embasada, porém todos querem usufruir da novidade, para estarem à frente do mercado. A dúvida maior que fica é se a banalização de tanta informação a ser processada pode prejudicar o uso dessa forma sistemática, progressiva, e orientada de treinamento e que ela seja vista no futuro como mais uma onda que passou. A decisão entre embasarmos o uso do Treinamento Funcional ou de o banalizarmos como mais uma aula de ginástica está na mão dos profissionais sérios que entendem a necessidade de se continuar sempre estudando e questionando as novas "ondas", com o objetivo de separar o joio do trigo, e todos terminarmos com a sabedoria em nossas mãos.

 

Thiago Passos, M.S., C.S.C.S.


Comente:


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários ofensivos não serão publicados!

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Arquivo do blog